Emmanuel - Flávio Venturini e Milton Nascimento

24 de out de 2011

Projeto:Viver em Família - O Relacionamento do Casal

           
O RELACIONAMENTO DO CASAL

          Muitos casais convivem durante meses e anos alimentando promessas de felicidade e realizações, povoando a alma de explêndidas esperanças.
    Amam-se e parece-lhes impossível não atingir essa felicidade na vida a dois que lhes espera. Geralmente é esse o estado de espírito que existe durante o tempo de namoro e de noivado.
   Mas, muitas vezes, pouco após o casamento, o entusiasmo diminui e se extingue, as esperanças desabam uma a uma e os sonhos de felicidade se dissipam, jogam-se um contra o outro os mesmos esposos que juraram amor sem fim.

Que aconteceu?

Enganaram-se sobre seu amor?

Representaram algo que não eram?

Será que cederam á promessa de satisfação sexual?

     No lar, muitas são as observações feitas em nome do amor, que não passam em si mesmas, de desconhecimento do que seja essa notável virtude.
     O amor é a virtude que mais se ajusta ao equilíbrio.

        O MODISMO

     Nesses tempos de modismo, costuma-se justificar o término de um matrimônio com a afirmação "o amor acabou". .
     Mas se houve amor este nunca acaba, pois o verdadeiro amor tende a aumentar até o infinito.
      Verificamos que na maioria das vezes, o que ocorre é a mistura de sentimentos, de emoções, com as sensações comuns. 
      E a incompreensão que traz à tona um clima de tensão que joga um contra o outro. Ela torna-se responsável por asfixiar os mais sólidos amores.
      Se instalada entre o casal facilmente encontra tudo o que lhe é necessário para crescer com rapidez e alimentar-se constantemente nas mais simples atitudes.

FAIXAS VIBRATÓRIAS

      A Doutrina Espírita esclarece que vivemos em faixas vibratórias. De acordo com o que pensamos e vivemos captamos vibrações boas ou más.
       Daí a necessidade de conquistarmos um ambiente equilibrado em nosso lar e nossas vidas.
       O matrimônio em linhas gerais é uma experiência de reequilíbrio das almas, um sério compromisso, e como todo compromisso, exige responsabilidades recíprocas.
       Muitas vezes, o casal mal preparado para esse compromisso, dele "esperam tudo", sem estarem preparados para o "dar ao outro", que nada mais é do que "abrir-se o coração corrigindo deficiências, trocando experiências e completando-se mutuamente”.
       É natural que ocorram desacertos. Ao invés, porém, de separação, reajustamento. A questão não é de uma "nova busca" mas de redescobrimento do que já possui. Antes da decisão precipitada, ceder cada um, no que lhe concentre, a beneficio dos dois.
       A interrupção desse compromisso somente adia a data da justa quitação. O amor não pode deixar de ser inteligente.
      Se o amor é espontâneo, não pode deixar de ser inteligente.
Precisamos usar a nossa inteligência em descobrir a psicologia do cônjuge.
       É preciso penetrar um na intimidade do outro, para que ambos possam conhecer-se. É o ato de doar-se, de compreender, de dividir, que trará segurança ao relacionamento e, portanto, a felicidade.
      É preciso aplicar a própria inteligência em:
Observar,
Descobrir e
conhecer o outro

      Muitos casais viram o sofrimento nascer dentro de seu próprio amor porque não perceberam isto.
      Estudos realizados em diversos países mostram que os casais têm interesse muito maior na comunicação e diálogo, do que em viver um amor romântico.
     Isso significa que o companheirismo, a solidariedade, interesses comuns e participação nas atividades do outro, passaram a ser prioritários no casamento.
Vance Packard, jornalista americano, após 4 anos de pesquisa sobre o casamento, observou 7 causas básicas do sucesso matrimonial:
 l. Intensa capacidade de afeto, envolvida por grande consideração pelo outro.
2. Maturidade emocional.
3. Habilidade em comunicar.
4. Disposição constante em se alegrar com o outro e participar de acontecimentos com.
5. Habilidade em lidar com tensões e diferenças, de forma construtiva.
6. Disposição e bom humor em relação ao sexo.
7. Conhecimento e aceitação dos limites do outro.

     Assim sendo, quando existe compreensão das finalidades espirituais da família e quando há o interesse em se educar e vencer as diferenças de uma forma construtiva, o relacionamento familiar torna-se mais harmonioso e feliz.

O Melhor é viver em família – Lar do Caminho

Um comentário:

  1. O que une um casal é terem objetivos comuns e buscarem realizá-lo em conjunto.
    Alguns condimentos são importantes além do amor: respeito, companheirismos, repartir os afazeres, serem parceiros.
    Ter um bom relacionamento trás muitas alegrias. Muita paz!

    ResponderExcluir

Seguidores

Países que nos visitam

Países que nos visitam

Recomendo este Blogger

Vídeos do Grupo Musical Cativar - GMC

Caros amigos, o Grupo Musical Cativar compartilha com vocês sua primeira postagem no youtube com a nova formação: Guitarra - Roberto, Contra-baixo - Amaro, Violão - Jeronimo, Percursões - Olavo e Robério e vocal - Lilia.
Espero que gostem e prestigiem, pois é cativante

Cantando o teu natal

O Homem integral

Passos na Areia